magazine RISCO ZERO n3 - page 67

por
NWA Networking Angola
BOAS PRÁCTICAS NO LOCAL DE TRABALHO
BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA
E SAÚDE OCUPACIONAL
A melhoria da segurança, da saúde e do meio ambiente de
trabalho, aumenta a produtividade, diminui os custos direc-
tos e indirectos com a decorrente diminuição das interrup-
ções da produção por absenteísmo ou por acidentes e/ou
doenças ocupacionais. Esta deverá ser uma relevante visão
económica das empresas para a decisão nos investimen-
tos na área da saúde ocupacional, mas também muito im-
portante é a responsabilidade social da empresa para com
aquilo que é o bem-estar e a saúde de cada um dos seus
trabalhadores, isto é, o correcto investimento do empresário
no seu maior activo, os recursos humanos.
Para se alcançar este paradigma é necessário antes de mais
um correcto e adequado planeamento que permita encon-
trar e implementar soluções práticas e economicamente
viáveis na área da suade ocupacional. Mais do que cumprir
a legislação é uma questão de sustentabilidade para a con-
tinuidade da operação das empresas o facto de proporcio-
narem um ambiente de trabalho seguro e saudável aos seus
colaboradores.
Essas soluções estão estudadas e padronizadas por institui-
ções nacionais e internacionais, merecendo naturalmente
adaptações ou customizações ao enquadramento real de
cada país, ao sector económico em questão, às especifica-
ções laborais, entre outros factores.
As boas praticas na saúde ocupacional começam antes de
mais nos seguintes pilares básicos:
>
Os aspectos preventivos
envolvidos na segurança do tra-
balho que procuram minimizar os riscos e as condições ina-
dequadas e incorporar a melhoria contínua das condições
de trabalho, introduzindo requisitos mínimos de segurança
cada vez mais rígidos. Os riscos de acidentes com lesão,
problemas ergonómicos e organizacionais podem ser iden-
tificados pela inspecção sistemática do local de trabalho. As
inspecções de segurança estão entre as medidas preventi-
vas mais importantes para assegurar um local de trabalho
seguro;
>
A informação
, elemento fundamental da segurança, da
saúde e da melhoria das condições de trabalho que. As em-
presas devem possuir mecanismos internos para divulgar
os objectivos, indicadores de desempenho e resultados, es-
timulando a participação dos trabalhadores. Uma informa-
ção bem elaborada contribui para a consciencialização da
segurança dos seus colaboradores;
>
A formação contínua
dos quadros da empresa em ter-
mos de know-how técnico-profissional explorando também
o conhecimento tácito e codificado. Englobando-se aqui a
sensibilização e educação para a saúde ocupacional, isto
porque a saúde ocupacional visa a protecção dos traba-
lhadores contra os riscos para a saúde, contribuindo para
a adequação do trabalho às aptidões de cada um e para a
perpetuação do bem-estar físico e mental;
>
Os serviços de saúde
no local de trabalho, pela imple-
mentação de por exemplo postos de saúde no trabalho ou
outras soluções adequadas à dimensão e sector económi-
co da empresa, que visem a vigilância, a promoção, a pre-
venção e a actuação na saúde enquanto nos cuidados de
saúde pública, dos primeiros socorros, da emergência e
até no controle de doenças crónicas. Um pouco por todo
o mundo procura-se desenvolver os melhores métodos de
vigilância e prevenção das doenças profissionais. Compre-
ender a importância do controlo destas doenças é melhorar
a qualidade de vida dos trabalhadores e por inerência das
comunidades. Reflectindo não só o bem-estar físico, mental
e social dos trabalhadores mas também a produtividade das
empresas e por inerência o desenvolvimento económico
dos países ao apresentarem maiores níveis de produção e
menores gastos com a saúde e incapacidades resultantes
do trabalho.
Os Serviços de Saúde Ocupacional tem sido alvo de cons-
tante procura e inovação, tentando responder a uma cres-
cente necessidade das empresas no cumprimento da le-
gislação do trabalho e sobretudo na disponibilização de
cuidados de saúde aos seus colaboradores. As empresas
dos diferentes sectores económicos em Angola procuram
dar resposta às actuais necessidades desta prestação de ser-
viços de saúde e de socorro aos seus colaboradores quer
seja em locais remotos das suas operações, quer seja nos
locais urbanos.
NWA – Networking Angola
/67
1...,57,58,59,60,61,62,63,64,65,66 68